Notícias - Governo / Publicado em 09/01/2018 às 16:23

Município repassa recursos para Círculo de Máquinas e Fundação Cultural

Por Simone Ludwig

Foto: Simone Ludwig
Foto: Simone Ludwig

A administração municipal de Feliz repassou um total de R$ 415 mil para promover a agricultura e a cultura do município. Foram beneficiados o Círculo de Máquinas e Ajuda Mútua, com R$ 360 mil e a Fundação Cultural, com R$55 mil. Participaram do ato as representantes das duas entidades, Ida Mara Palavro Klein e Liane Maria Bohn Lorenzetti; o prefeito, Albano Kunrath; o vice-prefeito, Nélson Martiny; o secretário da Agricultura, Gilberto Rauber (Péu) e pela secretária de Educação e Cultura, Marcia Fetzer.

Na ocasião, Albano ressaltou a importância da iniciativa. ‘Como tem ocorrido todos os anos, são entidades parceiras do município. Neste ano, por exemplo, foram R$10 mil a mais para a Fundação Cultural’, afirma. ‘Os recursos são para que as entidades deem continuidade aos trabalhos que são fundamentais para o desenvolvimento de Feliz’, complementa o prefeito.

Com essas parcerias, o Círculo de Máquinas e a Fundação Cultural assumiram a responsabilidade de cumprir com as contrapartidas firmadas. Elas também serão fiscalizadas pela administração municipal e devem apresentar sua prestação de contas para comprovar a destinação correta do investimento recebido.

 

Círculo de Máquinas

 

O Círculo de Máquinas foi criado em 22 de setembro de 1997. O trabalho deste sistema facilita o acesso às novas fontes de renda, através da prestação de serviços para terceiros. É uma entidade sem fins lucrativos, que tem como finalidade intermediar a prestação de serviços, com máquinas agrícolas e mão de obra, entre as propriedades dos associados.

Atualmente o Círculo possui 432 associados, que contam com os serviços de 15 operadores, os quais possuem 16 tratores, 4 retroescavadeiras, 3 escavadeiras hidráulicas, 3 miniescavadeiras hidráulicas, 1 perfuratriz, 1 martelete hidráulico, 1 carregadeira, 1 caminhão muke, 1 caminhão tanque distribuidor de esterco e 85 implementos. O patrimônio total é avaliado em R$ 5 milhões.

A diretoria é composta por 10 associados, que se reúnem mensalmente, para discutir as estratégias da entidade, tendo como presidente, Ida Mara Palavro Klein. São beneficiados com lavração, gradeação, rotativa, silagem, encanteirador, plantadeira, colheitadeira, retroescavadeira, escavadeira hidráulica, carregadeira, entre outros, os proprietários que apresentarem Talão de Produtor Rural, que sejam associados ao Círculo de Máquinas e Ajuda Mutua de Feliz e que não possuam débitos com a fazenda pública.

O recurso é um grande incentivo e Ida Mara comemora. ‘Que bom que nós vamos receber esse dinheiro, assim podemos dar continuidade ao nosso trabalho’, enfatiza. ‘É um sistema que beneficia também os produtores mais humildes e que não têm como adquirir um equipamento. Desse modo, eles também conseguem usufruir’, complementa Ida Mara.

Conforme Gilberto (Péu), o Círculo de Máquinas é um dos melhores sistemas da área. ‘Existe muita procura pelos outros municípios para implantar’, afirma. ‘O produtor paga por hora trabalhada e os preços variam conforme o equipamento’, destaca o secretário.

 

Fundação Cultural

 

A história da Fundação Cultural teve início no dia 24 de junho de 1992, quando um expressivo número de cidadãos felizenses, liga dos a vários setores da sociedade, reuniram-se em virtude da necessidade da criação de uma entidade mantenedora da cultura e das artes do município, conhecido pela sua forte cultura germânica e por manter as tradições e costumes de seus antepassados alemães. O idealizador foi o prefeito da época, Clóvis Assmann, juntamente com a então secretária de Educação, Nair Melita Seibert.

Quando a Fundação foi criada a proposta dos idealizadores era preservar e resgatar atividades culturais que eram próprias do povo de Feliz e tinham, não se sabe ao certo os motivos, desaparecido. Atualmente a entidade conta com aulas de teatro, teclado, violão, violino, violoncelo e o seu tradicional Coral. Com o repasse financeiro a ideia é dar seguimento ao sonho de viabilizar uma Orquestra de cordas, por exemplo. ‘Agora é continuar. Também queremos implantar a oficina de viola e vamos ver se conseguimos diminuir a mensalidade dos alunos. Isso com certeza trará mais interessados, já que muitos não têm condições de fazer’, valoriza Liane. ‘Me sinto muito feliz. Sempre é uma grande ajuda, pois a Fundação é uma escola de artes’, conclui.

 

 

Notícias

Mais notícias