Notícias - Agricultura / Publicado em 06/11/2018 às 21:15

Tarde de Campo reuniu agricultores do município

Por Simone Ludwig

Tarde de Campo reuniu agricultores do município
Tarde de Campo reuniu agricultores do município

Como parte das ações do Programa de Gestão Sustentável da Agricultura Familiar (PGSAF), a Emater/RS-Ascar de Feliz realizou na quarta-feira,dia 24 de outubro, uma tarde de campo na propriedade da família Boettcher, da localidade de Roncador. Na ocasião foram três estações de trabalho em que foram discutidos o manejo e o controle das moscas da asa manchada (Drosophila suzukii) e do figo (Zaprionus indianus), formas de controle do borrachudo e do Aedes aegypti e o uso de equipamentos de proteção individual na agricultura.

Na primeira estação, o assistente técnico regional em Sistema de Produção Vegetal da Emater/RS-Ascar, Lauro Bernardi, abordou o ciclo de vida das moscas que podem atacar os morangueiros, especialmente nas estações mais quentes do ano. Em sua fala, ressaltou as possíveis armadilhas para a captura, destacando ainda a necessidade de eliminar frutos imprestáveis não os deixando caídos próximo ao solo e fazendo a colheita de maneira que não fiquem frutos maduros na planta.

 Em seguida o extensionista da Emater/RS-Ascar, Claison Krumreich, abordou ações que podem diminuir o ataque dos borrachudos e o que fazer para evitar o inseto, que costuma se multiplicar em áreas próximas a córregos e arroios em que haja dejetos humanos ou animais. Na mesma estação a coordenadora da Vigilância Sanitária e Ambiental, Bárbara Dávila ressaltou o trabalho realizado pela entidade para a identificação de ovos e larvas do Aedes aegypti, mosquito que é vetor de doenças como Dengue, Zika e Chikungunya.

 A terceira estação foi ministrada pelo gerente regional da Emater/RS-Ascar, Marcelo Brandoli. Além de falar da importância do uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) – como botas, luvas, óculos de segurança e chapéus – no meio rural, destacou os cuidados necessários na aplicação de agrotóxicos. “Importante é planejar antecipadamente a emissão dos produtos, evitando não apenas a intoxicação, mas também a contaminação de rios, lagos ou outras fontes de água da população vizinha”, reforçou.

Uma quarta estação apresentou os detalhes do PGSAF – política pública operacionalizada pela Emater/RS-Ascar, por meio de convênio com a Secretaria de Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo (SDR). No Estado, o programa atende 40 mil famílias e visa a apoiar os participantes em ações que permitam o aumento da renda, a racionalização dos custos de produção, a redução da penosidade no trabalho, o planejamento da propriedade como um todo, a sustentabilidade e o acesso a políticas públicas. Nesta estação, o tema da rastreabilidade também foi apresentado.

 A tarde de campo – ferramenta que tem sido utilizada em todos os 55 municípios dos vales do Taquari e Caí que integram o Regional de Lajeado da Emater/RS-Ascar – se soma a outras atividades individuais e coletivas, que visam a compartilhar experiências e conhecimentos técnicos a respeito daquilo que está sendo desenvolvido na propriedade, a partir do PGSAF. Nesse sentido, o programa busca coletar indicadores sobre a evolução das condições econômicas, ambientais e sociais das famílias envolvidas.

 

 

Notícias

Mais notícias